terça-feira, 13 de outubro de 2009

O Mundo ao contrário

Todos nós temos uma máscara (ou várias) por diversas razões, ou para escondermos quem somos na realidade (por uma ou outra razão que só a cada um de nós cabe responder) ou para nos transportarmos numa outra realidade que não a nossa imaginando um Mundo e vivendo uma vida abstracta baseada na ilusão.
Tanta uma como outra levam a criar mentiras. Iludimos pessoas, mostramos facetas que não temos e escondemos as que não queremos mostrar (as menos boas, mas não menos importantes).
Trata-se de auto-defesa? Ou de falsidade? Devemos estar contra ou a favor? Gostaríamos que uma pessoa próxima de nós (familiares, amigos, companheiros) usassem uma máscara connosco? Até que ponto esconder o seu próprio eu se torna uma problema ou uma forma de vida?
Quando uma pessoa após várias experiências que teve na vida (e não se trata de ser mais velho ou mais novo, ambos adquirem máscaras e isto só acontece porque alguma vivência as fez optar por isso), após perceber que todas as pessoas nos desiludem de alguma maneira, após ter sofrido (e não estou a falar de desgostos de amor, esse é um dos menores problemas que a sociedade enfrenta hoje em dia), quando nos apercebemos que ao nos darmos aos outros, quando mostramos quem na verdade somos, somos usados, magoados, discriminados, olhados de lado, muitas vezes manipulados, entre muitas outras situações. O que fazemos? Mostramos o nosso verdadeiro eu a qualquer pessoa? Entregamo-nos a qualquer um? Não.
Criamos uma máscara à nossa volta. Podemos estar num momento frágil, podemos estar às avessas com o Mundo, podemo-nos sentir as pessoas mais tristes, sozinhas, feias, falhadas, irritadas... Mas será que vale a pena dar a conhecer isso? Mostrar o nosso lado frágil nem sempre é fácil.
Sorrirmos mesmo sem vontade, falarmos mesmo quando queremos estar em silêncio, ouvirmos quando nem estamos para aí virados, às vezes é uma escolha que fazemos.
Se é certa ou errada não sei.
Quando cometemos um erro, algo que nos arrependemos, que nunca pensámos fazer, às vezes escondemos. Porque? Porque é mais fácil escondermos do que mostrar que somos frágeis, que não somos as pessoas "perfeitas" que os outros pensam, que cometemos as maiores atrocidades porque aconteceu ou porque apeteceu ou porque não se estava à espera.
Escondemos muita coisa.
Mas não faz sentido mostrar tudo, contar tudo. E a cada dia que passa tenho mais a certeza disso. Com o tempo vemos que as pessoas não são aquilo que pensávamos (tal como acontece connosco também acontece com os outros, nunca ninguém mostra todas as suas facetas!) e que às vezes mais vale jogar pelo seguro do que metermo-nos na toca do lobo.
Torna-se um ciclo vicioso onde toda a gente joga.
Jogar. Vencedores e vencidos. Falsidade. Hipocrisia. Tudo isto faz parte do nosso dia-a-dia.

7 comentários:

Saltos Altos Vermelhos disse...

isso é algo que adquirimos com a idade a ser selectivos e a mostrar-se a quem verdadeiramente merece ;)

Uma Croma disse...

Infelizmente... Tens toda a razão do mundo ! =/

Rita da Maçaroca disse...

Infelizmente por vezes temos que usar demasiadas mascaras, porque não podemos mostrar o rosto a ninguém. Só os verdadeiros amigos é que são capazes de o ver e é preciso existir muita confiança...
:)

Gostei do blog, Parabens =)

Filipa disse...

Ás vezes usar uma máscara não é o caso de ser hipocrita ou não, ás vezes somos obrigados a usar máscaras com certo tipo de pessoas ou de situações, sem sempre podemos mostrar o nosso lado mais frágil..

Rita da Maçaroca disse...

É realmente dificil sair daquela rotina. Eu pra tentar fugir, fui viajar durante umas semanas e voltei como nova. Arejei, conheci novas pessoas e realmente pus fim ao meu sofrimento. Agora estou mais feliz que nunca, sinto-me livre e dependente apenas de mim mesma.

Quando o tal tiver que aparecer, aparece e nao vale a pena forçar. Quero, preciso de acreditar que ainda há alguem à minha espera

Beijinho^^

Isabel disse...

Gostei imenso do texto ^^

made in ♥ love disse...

e é detestavel ter de lidar com essa hipocrisia... detesto falsidades...

Um beijinho
Eduarda
Be in ♥ love