domingo, 7 de fevereiro de 2010

Entalado na garganta



Desde o verão que escrever no blog se tornou um dilema para mim, é verdade.
Quando me iniciei nesta "aventura" partilhei-a só com uma pessoa, mais tarde as minhas amigas mais próximas souberam da existência do meu cantinho e enquanto o diabo esfrega um olho já meia dúzia de pessoas que não queria, de todo que soubessem, ficaram a saber.
É uma força de bloqueio saber que não posso escrever sobre o que quero, tenho medo de ferir alguém ou de tornar público algo pessoal que aqui seria um desabafo.
Odeio esta situação. Já pensei mil vezes em acabar com o blog ou, simplesmente, deixar de vir cá (como já fiz durante uns tempos), mas não consigo. Talvez porque durante meses deixei aqui o meu testemunho, as minhas opiniões, as minhas inseguranças, as minhas fragilidades, os meus dilemas, os meus gostos.
É difícil, para mim, terminar sempre com o que quer que seja que tenha algum significado. E aqui se verifica, mais um vez, isso. Sempre foi um problema para mim e continua, e decerto continuará, a ser.
Tomar uma atitude sempre me foi complicado nestas situações. Sou uma pessoa de vícios, os bons e os maus, e deixá-los é uma tarefa bastante complicada. 
Apesar de tudo isto, vou continuar a vir aqui sempre que possa, sempre que me surgir um tema para falar (desde que não interfira na minha vida pessoal).
Este post foi um desabafo, na tentativa de deitar cá para fora tudo o que há muito me anda a perturbar o sistema, que me condiciona e bloqueia. 


E, pronto, é isto.

2 comentários:

Uma Croma disse...

Continua a desabafar e a escrever. Utiliza este meio para todas as fugas da banal rotina, de todos os problemas. Aqui és tu, o teu mundo, as tuas palavras...

Força !
Don´t be afraid ;)

*****

Zaahirah disse...

Oi oi

Já leio o teu blog há algum tempo mas acho que nunca comentei. Também tenho esse problema, o pessoal da minha turma descobriu o meu blog e ficou revoltado porque escrevi lá coisas más sobre eles. Mas também, caramba, não digo em que escola ando, em que curso, em que turma, nem sequer digo nomes ou iniciais. E sabemos bem que quem conta um conto acrescenta um ponto... se enfiaram a carapuça em algumas coisas e não gostam da imagem que tenho deles, azar!! Toda a gente escreve mal dos colegas e patrões!!!

Mas agora tenho o mesmo dilema que tu: como coninuar a desabafar livremente sabendo que do outro lado vai estar um monte de gente pronto a gozar das minhas tristezas e a criticar os meus pensamentos? Não é fácil não!